segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Cópia Na Moda Levanta Discussões Sobre Referências e Plágio.

Uma recente troca de acusações entre estilistas brasileiros – fato noticiado na grande imprensa – reacendeu a (velha) polêmica sobre a questão da cópia na moda. A querela, recorrente e, aparentemente, interminável, que soa como algo parecido a “discutir o sexo dos anjos”, pode ser bastante produtiva se se pensar que a intensificação do debate oportuniza desdobramentos a respeito da necessidade (e urgência) do desenvolvimento de competências que tornem nossa indústria, efetivamente, criadora de moda. É voz corrente que o destino das indústrias de pequeno e médio porte, no Brasil, se restringe a copiar produtos de empresas do segmento com maior prestígio midiático. Sem querer justificar, é preciso considerar as dificuldades enfrentadas pelas inúmeras empresas que, via de regra, se estabelecem sem o aporte mínimo de recursos (financeiros, materiais e humanos), o que, de certo modo e em alguns casos, explica tal atitude. Porém, isso parece inaceitável quanto se trata de indústrias de grande porte, frequentemente, detentoras de recursos, renomadas e/ou legitimadas como criadoras de moda. Pois é nesse contexto que o debate toma corpo, quando marcas e estilistas tidos como “referências” cometem esses (supostos) deslizes. Vale destacar que a questão não é tão simplista. Muitas perguntas se colocam a respeito – e muitas delas não têm resposta. É possível definir, claramente o que é uma cópia na moda, quando se carrega o sobrenome inspired? O que pode ser dado como (verdadeiramente) novo na moda, nos últimos tempos? Qual o limite entre referência e cópia na moda? Originalidade seria mesmo sinônimo de novidade? O fato é que as cópias, muitas vezes, sugerem o deslocamento dos modos de perceber e produzir um produto de moda. E isso pode não se configurar como plágio. Para além de um exame que não se esgota ou se encerra, a discussão, portanto, deve servir como pauta de reflexão sobre o desenvolvimento da competência criativa de profissionais, empresas e do segmento de moda como um todo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário